Interpretação 1 - A Última Crônica

 

 

             A caminho de casa, entro num botequim para tomar café. Na realidade estou adiando o momento de escrever. A perspectiva me assusta. Gostaria de estar inspirado. Eu pretendia recolher da vida diária algo de seu disperso conteúdo humano, que a faz mais digna de ser vivida. Estou sem assunto.Lanço um último olhar fora de mim, onde vivem os assuntos que merecem uma crônica.  

              Ao fundo do botequim, um casal de pretos acaba de sentar-se. A compostura da humildade deixa-se acentuar pela presença de uma negrinha de seus três anos, laço na ca beça, toda arrumadinha no vestido pobre, que se instalou também à mesa: mal ousa balançar as perninhas ou correr os olhos ao redor

              Passo a observá-los. O pai, depois de contar o dinheiro que discretamente retirou do bolso, aborda o garçom e aponta um pedaço de bolo sob uma redoma de vidro. A mãe limita-se a ficar observando. A meu lado, o garçom encaminha a ordem do freguês. O homem atrás do balcão apanha a porção do bolo com a mão, larga-o no pratinho – um bolo simples, amarelo-escuro – apenas uma fatia triangular.

              A negrinha, contida na sua expectativa, olha a garrafa de Coca-Cola e o pratinho que o garçom  deixou à sua frente. Por que não começam a comer? Vejo que os três –pai, mãe e filha –obedecem, em torno à mesa, a um discreto ritual. A mãe remexe na bolsa de plástico preto e brilhante, retira alguma coisa. O pai se mune de uma caixa de fósforos e espera. Ninguém mais os observa além de mim.

              São três velinhas brancas, minúsculas, que a mãe espeta caprichosamente na fatia de bolo. E enquanto ela serve a Coca-Cola, o pai risca o fósforo e acende as velas.Como a um gesto ensaiado, a menininha repousa o queixo na mesa e sopra as velas. Imediatamente põe-se a bater palmas, cantando num balbucio, a que os pais se juntam, discretos:” Parabéns a você...” Depois, a mãe recolhe as velas, torna a guardá-las na bolsa. A negrinha agarra o bolo com as mãos e pôe-se a comê-lo. A mulher está olhando para ela com carinho – ajeita-lhe a fitinha do cabelo, limpa o farelo do bolo que lhe cai ao colo. O pai corre os olhos pelo botequim, satisfeito e de súbito, dá comigo a observá-los. Nossos olhos se encontram, ele se perturba, constrangido, vacila, ameaça abaixar a cabeça, mas acaba sustentando o olhar e enfim se abre num sorriso.

              Assim eu quereria a minha última crônica: que fosse pura como esse sorriso.

                                           (Fernando Sabino)

 

INTERPRETAÇÃO:

1)Em que parte do texto, o autor afirma que os homens do seu tempo são o assunto de suas crônicas?

2)Qual é a cena que o autor vê? Quais são os personagens que dela participam?

3) Há no texto uma passagem que denota claramente a pobreza dos personagens.Qual? Comente-a.

4) Que sentimentos o autor expressa para com a personagem-menina, ao usar os diminutivos - arrumadinha, negrinha, menininha, fitinha -? Qual será a intenção do autor?

5)Qual a passagem do texto que mostra o desprezo do dono do botequim para com a família?

6)O que a passagem acima relacionada suscitou em você?

7) Comente a última frase do penúltimo parágrafo.

8) Que tipos de sentimento este texto despertou em você?

9) Qual a mensagem que este texto trouxe?

10) Como você explicaria o último parágrafo?

 

GRAMÁTICA:

Retire do texto:

  1. 5 pronomes pessoais do caso oblíquo-
  2. 3 pronomes pessoais do caso reto-
  3. 3 pronomes indefinidos-
  4. 4 pronomes possessivos-
  5. 1 pronome de tratamento-
  6. 1 pronome demonstrativo-
  7. 3 preposições-
  8. 5 adjetivos-
  9. 5 substantivos-
  10. 1 numeral cardinal-
  11. 1 advérbio de modo-
  12. 1 advérbio de tempo-
  13. 4 advérbios de lugar-  

Pesquisa no Site

Novidades no E-mail

Visitantes OnLine

Nós temos 33 visitantes online