Concordância Verbal - Teoria

Regra geral de Concordância Verbal

 

O sujeito sempre concorda com o predicado.

    

 

 

 

sujeito no singular = verbo no singular

sujeito no plural = verbo no plural

 

Regras mais importantes de Concordância Verbal

 

 

 

1. “ALUGA-SE ou ALUGAM-SE apartamentos?”

O certo é“ALUGAM-SE apartamentos”.

A presença da partícula apassivadora “SE” faz a frase ser passiva, ou seja, o sujeito é quem sofre a ação do verbo(= apartamentos), e não quem pratica a ação de alugar. É o mesmo que eu dissesse que “apartamentos são alugados”. 

 

2. Em “VENDE-SE este carro”, o verbo fica no singular porque o sujeito (=o carro) está no singular .Em “VENDEM-SE carros usados”, o verbo vai para o plural porque o sujeito (=carros usados) está no plural. Correspondem a: “Este carro é vendido” e “Carros usados são vendidos”.

 

 

3. “Não nos vemos HÁou HAVIA  dois anos?”
O certo é “Não nos vemos HÁ dois anos”.
Isso significa que “faz dois anos” que não nos vemos.
Se a frase estivesse no passado “não nos VÍAMOS”, aí o correto seria dizer que “HAVIA dois anos”
Observe outro exemplo:
 A) “Há cinco anos que o Internacional não é campeão gaúcho” = o Internacional continua sem ser campeão;
B) “Havia cinco anos que o Internacional não era campeão gaúcho” = o Internacional ganhou o campeonato.

 

 

4. “É ou SÃO uma hora da tarde?”
O verbo SER sempre concorda com as horas:
“Éuma hora da tarde”; 
“SÃO treze horas”;  
“É uma e dez da madrugada”;
“É zero hora”.
Assim sendo, “SÃO doze horas”, mas “É meio-dia”; “SÃO doze horas e 30 minutos”, mas “É meio-dia e meia”.

 

 

 
5. “PRECISA-SE ou PRECISAM-SE de operários?”
O certo é “PRECISA-SE de operários”.
Neste caso, a partícula “SE” tem a função de tornar o sujeito indeterminado. Quando isso ocorre, o verbo permanece obrigatoriamente no singular:
“Necessita-se de profissionais competentes”;
“Acredita-se em discos voadores”.
É interessante notar a presença da preposição. Isso é uma indicação de que a partícula “se” é indeterminadora do sujeito.

 

 


 

 6) Sujeitos de pessoas gramaticais diferentes
Se houver dois ou mais sujeitos de pessoas gramaticais diferentes, o verbo irá para o plural, concordando com a pessoa que tem precedência na ordem gramatical.
Eu e tu=nós
Eu e ele=nós
Eu, tu e ele=nós
Tu e ele=vós
Você e ela=eles
Marcos e tu fizestes o que havia sido recomendado?
Eu e tu estivemos a semana toda estudando, e agora não há o que reclamar.
Tu e eu redigiremos o relatório.
Eu e o vendedor fizemos um acordo. 

 

 

 


 7. “Ainda PODE ou PODEM existir dúvidas para serem resolvidas?”
O verbo EXISTIR é pessoal (=com sujeito) e deve concordar com o seu sujeito:
“EXISTEM no Brasil dois tipos de caipiras.” (=sujeito plural)
“Ainda PODEM EXISTIR dúvidas para serem resolvidas.”

Os verbos OCORRER e ACONTECER também são pessoais:
“Nesta rua, já ACONTECERAM muitos acidentes.” (=sujeito plural)
“Neste julgamento, PODEM OCORRER algumas injustiças.”

O verbo HAVER fica no singular porque não tem sujeito (=sujeito inexistente), mas os seus sinônimos têm sujeito e devem concordar.

Há coisas inexplicáveis.

 

 

8. VOCÊ é um pronome de tratamento. Ele chegou com a corte de D. João VI, em 1808, quando a nobreza se chamava de Vossa Mercê.

 O povo  repetiu o termo novo como vosmecê, até chegar no nosso você.

Apesar de se referir à pessoa com quem falamos (2ª pessoa), faz concordância com a 3ª pessoa.

 Você já fez a tarefa de Português?

Assim  é com todos os pronomes de tratamento. Eles trazem, como herança da corte imperial, o “vosso”, mas o verbo e seus complementos são todos na 3ª pessoa.

Vossa Excelência, a Presidente, viajou com seus ministros e sua filha.

 

 

9. Pronome VÓS

Este pronome do caso reto – 2ª pessoa do plural não é mais usado no português moderno. Ele só existe nas orações como o “Pai-Nosso” e a “Ave-Maria”e em alguns versículos da Bíblia.

É uma pessoa totalmente fora de uso. Praticamente foi substituído pelo pronome eles.

 

 

10. Quando o sujeito for uma expressão que indicar percentagem, o

verbo concordará com o numeral ou com a expressão que indicar percentual.

Setenta por cento passaram /passou no redação.

 

 

                                                                              

 

11. Na indicação de datas, há três possibilidades:

a) Hoje são 04 de abril. ( o verbo concorda com o numeral a que refere)

b) Hoje é dia 04 de abril.( o verbo concorda com a palavra dia)

c) Hoje é 04 de abril.( o verbo concorda com a palavra dia que está subentendida)

 

12. Com as expressões “é  muito, é pouco,é mais de”, isto é com indicações de peso, preço ou quantidade, o verbo fica no singular:

Dois é bom, três é depois.

Quinze dias é muito tempo.

 

 

13. Com os verbos DAR, SOAR e BATER indicando horas, concordam com o numeral que é o sujeito.

Deu uma hora.

Soaram doze horas no relógio da igreja.

 

 

14. Verbos que indicam fenômenos da natureza como CHOVER, GEAR, VENTAR, RELAMPEJAR, AMANHECER, etc. ficam no singular, pois são impessoais.

Amanhece cedo no Nordeste.

Ventou toda noite.

Choveu muito ontem.

 

15. Os verbos que fazem referência a tempo como o HAVER, FAZER, SER,ESTAR ficam sempre no singular, porque são impessoais.

Há 15 anos venho aqui.

Faz 10min que terminou a aula.

Está cedo.

É cedo ainda.

OBS: mesmo que estes verbos sejam auxiliares, mesmo assim ficarão no singular.

Deve fazer invernos rigorosos aqui.

 

16. Quando o sujeito for formado por palavras sinônimas, o verbo pode ir tanto para o plural quanto singular.

Amor e ódio marcaram/ marcou nosso relacionamento.

 

 

17. Sujeito composto seguido de NADA, TUDO, NINGUÉM, NENHUM, o verbo fica no singular.

Desvios, fraudes, corrupções, nepotismo, tudo acontecia no país.

 

18. Sujeito após o verbo, este irá para o plural ou concordará com o mais próximo.

Apertaram-lhe a garganta o nervosismo e o pânico.

Apertou-lhe a garganta o nervosismo e o pânico.

 

19. Quando o sujeito for composto e tiver OU como ligação, temos duas construções:

a) Laranja ou limão são fontes de vitamina C. ( verbo fica no plural, porque há uma adição)

b) Paulo ou José será o presidente da empresa.( verbo fica no plural, pois há uma escolha)

 

 

20. Quando o sujeito for um nome próprio no plural, deve-se observar se existe ou não um artigo precedendo.

a) se houver, o verbo fica no plural, pois concorda com este artigo:

Os Estados Unidos ficam no hemisfério Norte.

Os Andes percorrem a América do Sul

 

b) se não, o verbo fica no singular:

Estados Unidos fica no hemisfério Norte.

Andes percorre a América do Sul.

 

21. Quando o sujeito for o pronome QUEM, o verbo fica na 3ª pessoa do singular(para concordar com o pronome) ou concorda com o antecedente.

Fui eu que fiz.

Fui eu quem fez.

22. Já com o pronome QUE, só concorda com o antecedente.

Foi ele que escreveu.

Fomos nós que entregamos.

 

23. Quando se tiver um sujeito partitivo, isto é, na sua primeira parte é singular e na segunda plural, o verbos o acompanha e tanto pode ficar no singular, quanto no plural.

Exemplos de sujeito partitivo: grande parte dos ...., a maioria dos......., cerca de cem dos....,etc.

Grande número dos alunos estudou/estudaram para o teste.

 

24. Regra interessante:

O verbo SER concorda tanto com o sujeito quanto com o predicativo, quando:

Samuel é as alegrias dos avós. ( nome próprio, concorda com o sujeito)

Tudo são alegrias.(pronomes como sujeito, concorda com o predicativo.)

Tudo éramos nós.(concorda com pronomes pessoais)

 

 

 

 

 25. 

  

HÁ OU A?

Uso há para indicar tempo passado, o que equivale a faz.

Há 10 anos que estudo Português para este concurso.

( Faz 10 anos que estudo...)

 

Já o A é usado para indicar tempo futuro.

Daqui a algumas horas farei a prova de Português.


 

 

 

 

 

Pesquisa no Site

Novidades no E-mail

Visitantes OnLine

Nós temos 96 visitantes online